<img height="1" width="1" style="display:none;" alt="" src="https://dc.ads.linkedin.com/collect/?pid=81693&amp;fmt=gif">

Metaverso: o que é e qual será o seu impacto no marketing?

O termo "metaverso" surgiu nos anos 90 para descrever a fusão da realidade física e digital. Hoje, é considerado a próxima revolução digital e tem impacto nos negócios, oferecendo aos clientes uma experiência imersiva e aumentando as chances de conversão. Descubra como o metaverso pode mudar o estilo de vida dos consumidores e beneficiar sua marca lendo este artigo.

O que é o metaverso e como ele funciona?

O metaverso é um universo digital onde as pessoas podem interagir entre si de qualquer lugar do mundo, basta usar óculos de realidade virtual. Dentro desse universo, você pode:

  • Jogar
  • Estudar
  • Comprar conteúdos, produtos ou serviços
  • Trabalhar
  • Comunicar e interagir com outras pessoas

As possibilidades oferecidas pelo metaverso são enormes, incluindo interações vistas apenas em obras de ficção científica. Em outubro de 2021, Mark Zuckerberg (fundador e CEO do Facebook) relançou esse conceito e anunciou que seu objetivo era criar um enorme mundo digital, o que explica a mudança do nome da companhia para META. Nesse novo contexto, ações do dia a dia podem ser realizadas virtualmente, inclusive compras.

Você gosta do que está lendo? Inscreva-se para receber os novos posts e notícias de marketing e vendas no seu e-mail

Essa ideia não é nova, com registros literários desde 1992 com o romance Snow Crash, de Neal Stephenson. Além disso, Matthew Ball, autor de Metaverse Primer, definiu o conceito como "uma rede de espaços virtuais que simula a vida no mundo real por meio de uma presença 3D individual".

Agora, como o metaverso pode ajudar em tarefas diárias e no empreendimento digital? Quais são as características dessa proposta revolucionária?

metaverso-o-que-e

9 características do metaverso

Ao entrar no metaverso, o usuário descobre todas as opções que um mundo digital e compartilhado oferece e, principalmente, o que pode ser feito nele. Confira algumas das suas principais características e funcionamento:

1. Metaverso será uma nova rede interdimensional

O metaverso vai ser um conglomerado de conteúdos e experiências em que os usuários podem simular experiências sociais imersivas graças ao uso de dispositivos eletrônicos. Isso já pode ser visto através dos dispositivos de óculos de realidade virtual.

2. Uso de um avatar digital

Todo mundo no Metaverso utiliza um avatar, que pode ser um retrato verdadeiro da pessoa ou outras figuras, como desenhos, robôs e personagens de videogame. O uso dessa “humanização” já é visto dentro de marketing, trazendo modernidade para as marcas e aproximando-as de seus públicos.

O uso dos avatares faz com que os aparelhos eletrônicos utilizados saibam interpretar seus gestos. Essa imagem também pode recriar traços de sua personalidade e humor, pois vai ser assim que as pessoas vão saber seu estado de espírito neste ciberespaço.

Já imaginou andar por uma rua em ambiente digital, entrar em uma loja, poder experimentar e comprar qualquer produto imediatamente? Ou ser capaz de realizar ações que não são possíveis na vida real, como conhecer pessoas de outros países em tempo real e sem sair de casa?

Imagine participar de uma reunião de trabalho em um escritório digital, tendo liberdade total para expressar suas ideias ou estratégias de negócios de forma mais criativa, desenhando telas no ar. Tudo isso é possível entrando no Metaverso, sendo a realidade de algumas empresas brasileiras e no mundo.

O Grupo Epic desenvolveu uma plataforma 2D gamificada que dá para acessar até pelo celular com internet 3G e reproduz exatamente a versão física do seu escritório. A ideia deu tão certo que clientes começaram a contratá-los para criar o metaverso de suas próprias empresas – incluindo grandes nomes como Warner Brothers, TV Globo e Golden Cross. Em entrevista para o Terra, o CEO Luiz Guilherme Guedes explica que o uso do Metaverso veio para resolver uma série de questões corporativas, incluindo retenção de conteúdo e comunicação interna.

3. Sempre conectado

Quando o usuário se desconecta do Metaverso, ele não perde nada – o ciberespaço continua funcionando e com seu sistema ativo. Ao se reconectar, a pessoa volta tranquilamente com novidades esperando ou eventos para assistir ou participar.

4. Experiência coletiva e social

O Metaverso foi definido como um projeto de maior relevância e impacto do que as redes sociais, pois os usuários podem buscar áreas para realizar atividades cotidianas, como comprar artigos de moda, junto com outros avatares – ou seja, pessoas conectadas nesse universo.

Aliás, marcas com e-commerce já estão disponibilizando seus produtos em lojas dentro do Metaverso. É o caso da H&M, cujo aplicativo permite que as pessoas façam upload de suas fotos para ver como ficariam vestindo determinada peça.

5. Encontro dos mundos físico e virtual

A pessoa se teletransporta para esse ciberespaço, que pode ser uma cópia do mundo real, um mundo tirado de um videogame ou ambientado em outra época. Isso significa consequências reais nas interações dentro do Metaverso.

É um local composto por 50% da parte real e 50% do universo virtual, permitindo usar “cópias digitais” do mundo real e interagir com eles graças ao uso de óculos na realidade aumentada. Assim, a pessoa tem uma experiência combinada dos dois mundos. 

Metaverso-imágenes

6. Mundos sem distância física

Uma das características mais legais dessa tecnologia é poder visitar mundos digitais e compartilhar experiências com qualquer pessoa no mundo real, onde quer que ela esteja.

Por exemplo, é possível jogar uma partida de xadrez com alguém que mora na China enquanto você se conecta da América Latina ou assistir a um show em Paris com milhões de usuários ao mesmo tempo. Inclusive, isso já é visto em jogos como Fortnite, que contou com shows de Travis Scott, Ariana Grande e DJ Marshmello para milhares de jogadores ao mesmo tempo.

Nova call to action

7. Mundos interconectados no Metaverso

Uma das ações mais populares é ir com o seu avatar para qualquer parte do mundo digital, pois esses ciberespaços estão conectados uns aos outros. Você também pode se mudar para outro ambiente com todos os seus pertences ou ativos digitais. Incrível né?

8. Mundos com economia própria

Outro ponto de destaque é a possibilidade de comprar ou vender serviços ou produtos nesses ambientes virtuais graças à tecnologia blockchain, que funciona com um sistema de computadores descentralizados ligados por blocos e reforçados com uma rede resistente à modificação de dados.

Graças a isso, alguns pintores, músicos e cineastas já comercializam suas obras em algum mundo do metaverso. É por isso que as empresas estão produzindo estratégias de marketing para se tornarem visíveis no metaverso e atingirem um público de todas as idades. Isso se deve aos NFTs (tokens não fungíveis), que são obras digitais não tangíveis no mundo real.

Eles são únicos e têm grande valor tanto no mundo real quanto no virtual: o NFT mais caro é a The Merge, do artista digital anônimo Pak, vendido para cerca de 29 mil pessoas, que compraram as mais de 312 mil cotas, coletivamente, por US$ 91,8 milhões.

Graças a isso, as empresas podem gerar novos empregos em ambientes digitais. Por outro lado, o mundo das criptomoedas (Bitcoins, Ripple ou Ether) é o grande beneficiário, devido à sua ampla utilização na economia do metaverso.

9. Metaversos nos quais você pode interagir

Antes de Mark Zuckerberg fazer sua apresentação do Meta ao público, opções semelhantes já existiam e estão em vigor há anos. Os mais destacados são:

  • Second Life: lançado em 2003 pela empresa Linden Lab, esse pode ser definido como o primeiro Metaverso para socializar com um avatar personalizado. A plataforma detinha o recorde de 57 milhões de contas, mas foi perdendo popularidade ao longo do tempo. Seu criador, Phillip Rosedale, afirmou que está trabalhando para relançar e atualizar a plataforma.
  • Decentraland: um dos metaversos com maior prestígio entre os usuários se destaca por ser o primeiro ambiente virtual onde as pessoas podem configurá-lo com base em suas preferências. Esse é um mundo aberto com economia descentralizada, podendo ser acessado para criar, construir, comprar e vender qualquer acessório, além de oferecer diversos serviços.
  • Espaço Somnium: é um metaverso construído pela Polygon Network baseado na criptomoeda Matic para o desenvolvimento de sua economia. Permite que seus usuários gerem e personalizem seus avatares e elementos para tornar a experiência rentável em seu ambiente.
  • The Sandbox: é um mundo virtual com muitos recursos, onde as pessoas podem jogar em espaços abertos. O sistema também permite que os usuários comprem, vendam e construam terrenos virtuais para monetizar suas criações.
  • Bloktopia: destaca-se por ser um metaverso feito por um arranha-céu virtual, onde os usuários podem experimentar a realidade estendida (XR). O uso de óculos específicos permite a replicação de ambientes e elementos, criando interações auditivas e visuais.
  • Axie Infinity: é um dos metaversos mais populares dentro da comunidade de jogos, pois permite criar, comprar, vender e trocar criaturas virtuais conhecidas como axies, que parecem com Pokémons. Por meio de batalhas, os usuários podem monetizar suas criações e tornar sua experiência mais lucrativa.

metaverso-3d

Vantagens e desvantagens do Metaverso

Como visto nas últimas décadas, a tecnologia avançou a passos largos e já temos no mundo invenções que eram consideradas irreais: telas sensíveis ao toque, videochamadas, assistentes de voz e até portas que se abrem automaticamente. Logo, termos como “Metaverso” podem parecer impossíveis agora, mas muito em breve farão parte do dia a dia das pessoas.

Não há dúvida de que essa tecnologia vai trazer vantagens atraentes, permitindo relações reais em um mundo virtual, como explicou Mark Zuckerberg. Entre as áreas beneficiadas, podemos citar educação, teletrabalho, medicina, formação e relações sociais.

Quais as vantagens do Metaverso?

Sem dúvidas, a educação é uma das áreas que mais terá benefícios com a implementação do Metaverso, pois a maneira como os alunos aprendem em uma aula será mais dinâmica e imersiva. Por exemplo, um professor de História pode usar óculos de realidade virtual para “levar” seus alunos ao Brasil colonial, mostrando como era viver naquela época.

Os campos da Medicina também poderão se aproveitar do Metaverso, já que o uso de acessórios de realidade aumentada ou óculos VR podem ajudar muito na hora de praticar cirurgias. Ao mesmo tempo, permite que pacientes sejam atendidos de forma eficaz, com consultas sem sair de casa ou dando diagnósticos de maneira muito mais rápida.

Outras vantagens incluem ir a eventos, tele trabalhar em escritórios virtuais, jogar com pessoas de qualquer parte do planeta, comprar ou vender artigos e serviços. 

Quais são as desvantagens do metaverso?

Embora o Metaverso tenha suas vantagens, também é preciso ressaltar alguns pontos de melhoria. O primeiro é sua acessibilidade, especialmente em países em desenvolvimento. Além disso, especialistas temem que esses ciberespaços mudem a forma de se relacionar com as pessoas, principalmente se o único contato com o mundo for virtual, sem a troca física com outros indivíduos.

Por fim, também é importante ressaltar possíveis violações da privacidade das pessoas. Esse é um problema que já está sendo apontado por estudiosos, pois uma das preocupações envolve a falta de mecanismos descritos nessas patentes sobre privacidade e segurança dos usuários. Uma reportagem do Business Insider também mostrou que existem poucos detalhes técnicos sobre como essas tecnologias serão de fato construídas e implementadas, com um foco maior apenas em apontar caminhos e realizar promessas.

Possibilidades do Metaverso em marketing

A chegada do Metaverso no marketing traz mudanças em quase todos os costumes, inclusive poder comprar e vender bens e serviços em um mundo virtual. Portanto, vale a pena entender quais são as etapas necessárias para estabelecer um negócio digital nesse novo universo.

Impacto do Metaverso no marketing

Já existem casos que refletem as possibilidades de negócios com o uso do Metaverso, incluindo a plataforma Decentraland. Como o próprio nome indica, o comércio funciona de forma descentralizada – ou seja, nenhuma marca controla a negociação da plataforma. São os próprios usuários que moldam esse ambiente digital.

Isso permite a comercialização de produtos e serviços com mais eficiência. É possível usar técnicas como o product placement (publicidade indireta) para dar visibilidade à sua marca, contanto que você tenha uma estratégia consolidada de marketing para tornar seu negócio atraente para todos os tipos de público.

Nueva llamada a la acción

Como criar uma publicidade bem-sucedida no Metaverso

Confira essas dicas para aumentar as chances do seu modelo de negócios ter sucesso no metaverso. Elas vão te ajudar a tornar seus produtos visíveis e comercializá-los com sucesso nesse mundo virtual.

  • Saiba como funcionam os metaversos já existentes, para saber como as marcas usam esse espaço para vender. Fazer esse levantamento é crucial para conhecer oportunidades para os próximos anos no marketing digital, então procure referências especializadas como Cathy Hackl ou Matthew Ball.
  • Procure empresas que já estão trabalhando no Metaverso, como Pixit, Broders e Dacri Deviati. Oportunidade é o que não falta, já que o mercado deve movimentar entre US$ 8 e US$13 trilhões em todo o mundo até 2030.
  • Conheça os formatos publicitários que funcionam nos metaversos atuais, como o uso de outdoors em videogames, vídeos ou a criação de experiências interativas e personalizadas para os usuários.
  • Investigue o que seus concorrentes estão fazendo nesses ciberespaços e também quais empresas podem surgir nos próximos anos. A empresa imobiliária digital Republic Realm, por exemplo, já comprou 259 lotes por US$ 900 mil na Decentraland.

metaverso

Ideais para campanhas publicitárias

Especialistas como Hal Koss compartilharam dicas de como fazer sua primeira campanha publicitária no Metaverso. Entre elas, podemos destacar: 

  • Realize as mesmas atividades que você faz no mundo real. Ou seja, se você se dedica à organização de eventos musicais, terá mais chances de sucesso se replicar essa atividade e oferecer um show em um ambiente virtual espaço.
  • Produza merchandising e roupas digitais. As empresas que já optaram por um mundo digital tem altos retornos financeiros, pois os usuários gostam de mudar as roupas e a aparência de seus avatares. Dê preferência para modelos exclusivos do mundo virtual, que não podem ser reproduzidos na vida real.
  • Conecte-se com pessoas que são especialistas em mundos digitais, da mesma forma que muitas marcas utilizam o marketing de influência para se associar com grandes nomes do ramo. Por exemplo, você pode encontrar profissionais que sabem como gerar ambientes 3D, criar obras digitais NFT e até mesmo especialistas em compras de parcelas digitais em metaversos existentes.

Como o Metaverso influencia o SEO

Entendemos o SEO (Search Engine Optimization) como uma série de estratégias implementadas dentro de um site para melhorar seu rankeamento nos mecanismos de busca. Ele é crucial para obter mais tráfego, leads e vendas, mas como vai funcionar dentro do Metaverso?

Ninguém tem a resposta para essa pergunta, pois especialistas não sabem como os mundos virtuais vão influenciar a pesquisa dos usuários na Internet. No entanto, alguns preveem o aumento das buscas visuais na demanda por informações devido ao uso cada vez maior de aplicativos como o Google Lens para pesquisar fotos de artigos semelhantes em um site.

Logo, a tendência é que as empresas apostem numa estratégia cada vez mais visual, com buscas que misturem frases e imagens, pois é isso que os usuários vão procurar. A incorporação do Google Lens e ferramentas semelhantes traz grande impacto na forma como se procura informações e cabe aos profissionais de marketing ficarem atentos ao que o futuro reserva para o SEO. 

Metaverso no e-commerce: desafios e como aproveitar essa tecnologia

A chegada do Metaverso trará desafios para o e-commerce e cabe aos times de marketing oferecer aos usuários experiências que emulam as mesmas ações da vida real, como comprar em uma loja física. Logo, as empresas devem se adaptar e oferecer seus produtos com experiências semelhantes à realidade.

Não basta exibir seus produtos ou serviços em um site com imagens e textos. Os desafios do e-commerce incluem: 

  • Negócios de roupas virtuais: os mundos virtuais são uma grande oportunidade para estabelecer modelos de negócios como roupas, calçados, entre outros.
  • Negócio de arte digital: os artistas terão oportunidades de comercializar seus trabalhos na forma de NFTs para um público mais amplo. Esses produtos costumam ser mais acessíveis devido à sua grande variedade e, por isso, a constituição de um grande metaverso dá novas chances para quem gosta de colecionar peças únicas e inimitáveis.
  • Novas possibilidades de venda: lojas, escritórios virtuais, eventos... Tudo isso são oportunidades de venda, tornando o e-commerce um dos grandes beneficiários dos mundos virtuais. 

Essa nova tecnologia vai mudar a forma como as pessoas fazem compras e cabe às marcas se atualizarem para oferecer uma experiência "real" em um ambiente digital. Para atingir esse objetivo, é importante acompanhar as tendências do mercado e não ficar para trás nas oportunidades que o Metaverso traz para o e-commerce. 

Nova call to action

Tecnologias que usam o Metaverso

O Metaverso precisa de outras tecnologias para ter uma experiência imersiva: blockchain, realidade virtual (VR), realidade aumentada (AR), reconstrução 3D, inteligência artificial e a Internet das Coisas (IoT). 

Blockchain

O blockchain é uma tecnologia que fornece uma resposta transparente e descentralizada para que uma propriedade digital tenha um valor no ecossistema do Metaverso. Para isso, usa as “criptomoedas” como forma de pagamento e permite que os usuários transfiram um valor monetário enquanto realizam tarefas de trabalho e socialização em ambiente digital. Por exemplo, qualquer pessoa com criptomoedas MANA pode adquirir parcelas de terrenos digitais no Metaverso da Decentraland. 

Realidade aumentada (AR) e realidade virtual (VR)

Tanto a realidade aumentada (AR) quanto a realidade virtual (VR) utilizam acessórios eletrônicos para seu funcionamento. A diferença é que o AR usa elementos visuais e personagens para transformar seu ambiente real em algo de outro mundo. Um exemplo muito famoso foi o Pokémon Go, cujo aplicativo fazia com que os usuários vissem os personagens em seus dispositivos enquanto caminhavam pelas ruas de sua cidade.

A realidade virtual, por outro lado, cria um mundo digital gerado por computador. Para interagir, os usuários devem colocar luvas, fones de ouvido e sensores que permitem a imersão em um ambiente digital.

Reconstrução 3D

Aqui, o objetivo é criar um ambiente digital que seja o mais próximo possível de um local do mundo real – como uma casa, um prédio comercial ou uma loja. O desafio é que a reconstrução 3D deve ser o mais realista possível, criando o chamado “gêmeo digital”.

Esses gêmeos são processados ​​por meio de fotografia 4K e são replicados através de um computador dentro do Metaverso. Tal tecnologia foi usada principalmente na pandemia para a compra e venda de imóveis em uma época em que as pessoas não podiam sair de casa.

Inteligência artificial

Conhecida por todos como IA, a inteligência artificial utiliza algoritmos de computador e permite a geração de programas com as mesmas habilidades de um ser humano. Ou seja, é possível criar personagens não jogáveis (NPCs) ou ambientes digitais que são capazes de funcionar sem ter uma pessoa para controlá-los ou projetá-los.

A inteligência artificial será muito útil no Metaverso ao permitir que usuários criem avatares de maneira mais precisa, levando em consideração suas expressões faciais, roupas, penteados e outras características.

Internet das Coisas (IoT)

A IoT é um conceito que se refere à interconexão digital de objetos cotidianos com a Internet, potencializando seu uso. Entre seus usos mais comuns, podemos citar os smartwatches, fechadura inteligente e até mesmo carros que dirigem sozinhos.

Esses sensores podem enviar e receber informações automaticamente, fazendo com que certos objetos no Metaverso funcionem de forma mais realista. Logo, podem ser usados para replicar um dia ensolarado ou chuvoso.

Para gerar simulações mais específicas, a IoT também pode aproveitar a inteligência artificial para gerenciar os dados enviados automaticamente sem qualquer intervenção humana.

Ainda que o Metaverso esteja em fase de desenvolvimento, já existem grandes empresas acelerando suas ideias para que essa realidade seja possível em pouco tempo, como idealizou Mark Zuckerberg. Os profissionais de marketing devem ficar atentos às possibilidades interessantes que os mundos digitais oferecem e o que vem por aí nos próximos anos.

E você, o que espera fazer no metaverso? Deixe sua resposta nos comentários!

Nueva llamada a la acción

Publicado em 22 de agosto de 2023.

Revisado e validado por Jalusa Lopes, Country Manager da InboundCycle Brasil

Fontes

  1. Meta - Introducing Meta

  2. Google - How Google Lens helps you search what you see

FAQ sobre o Metaverso

  • O que exatamente é o Metaverso?

    O metaverso é um universo digital onde as pessoas podem interagir entre si de qualquer lugar do mundo, basta usar óculos de realidade virtual. Dentro desse universo, você pode jogar; estudar, comprar conteúdos, produtos ou serviços; trabalhar; comunicar e interagir com outras pessoas. 

  • Como faço para entrar no Metaverso?

    Antes de Mark Zuckerberg fazer sua apresentação do Meta ao público, opções semelhantes ao Metaverso já existiam e estão em vigor há anos. Basta escolher a que você prefere: Second Life, Decentraland, Espaço Somnium, The Sandbox, Bloktopia e Axie Infinity.

  • Por que o metaverso foi criado?

    Em outubro de 2021, Mark Zuckerberg (fundador e CEO do Facebook) relançou esse conceito e anunciou que seu objetivo era criar um enorme mundo digital. Nesse novo contexto, ações do dia a dia podem ser realizadas virtualmente, inclusive compras, o que explica a mudança do nome da companhia para META.

Ver más

Outros posts que podem te interessar...

Marketing digital Back-end e front-end: descubra o que são e suas principais diferenças
Por Ana Claudia Ferreira en
Marketing digital 11 tendências em inteligência artificial (IA) para 2024
Por Marina Mele en
Marketing digital Tendências para podcasts em 2024
Por Celia Pérez en
Marketing digital Departamento de marketing: um guia completo, estrutura e funções
Por Ana Claudia Ferreira en

O que você acha? Deixe um comentário!