<img height="1" width="1" style="display:none;" alt="" src="https://dc.ads.linkedin.com/collect/?pid=81693&amp;fmt=gif">

O que é social commerce e como funciona nas redes sociais?

CTA- post-vertical-Desktop-Tiny

O social commerce é uma das estratégias de vendas online mais eficazes para um e-commerce.
As redes sociais e as lojas online já estão integradas na vida dos consumidores. Por isso, não é de estranhar que as marcas as usem para chegar no cliente ideal graças à humanização e ao diálogo com a marca.

O que é social commerce?

Bom, pode ser a primeira vez que você lê sobre esse conceito. Como disse mais acima, tem a ver com redes sociais e e-commerce.

Mas, vejamos o que é exatamente...

O social commerce é uma forma de comércio online que utiliza as redes sociais como mais um canal de vendas, tanto de produtos quanto de serviços.

Os perfis da sua marca nas redes sociais são um excelente cenário no qual você atrai potenciais clientes (através do inbound marketing e do marketing de conteúdo), conseguindo  gerar a confiança necessária que toda venda precisa (através do social selling).

De acordo com a pesquisa Social Commerce, realizada em 2021 pela All iN | Social Miner em parceria com a Etus e a Opinion Box, 86% dos brasileiros são compradores online e 74% destes compram pelas redes sociais.

Ou seja, quase 160 milhões de pessoas fazem compras utilizando as redes sociais. Sem dúvidas, os seus clientes estão entre eles.

Portanto, é absolutamente necessário incluir o social commerce na estratégia de vendas de toda marca.

Quais são as diferenças entre e-commerce e social commerce?

A principal diferença entre um e-commerce e um social commerce está no ciclo de vendas.

  • A venda numa loja online acontece a partir de uma pesquisa por parte do usuário, que conclui a compra no próprio site onde faz a pesquisa.
  • A venda via social commerce se dá por meio das relações nas redes sociais entre os usuários.

O produto ou serviço é adquirido após ter passado por um percurso relacionado aos meios digitais: fóruns ou redes sociais, principalmente.

O produto ou serviço é adquirido após ter passado por um percurso relacionado aos meios digitais: fóruns ou redes sociais, principalmente.

Esta venda não é influenciada por posicionamento ou publicidade. Aqui estamos falando de recomendações, conteúdos compartilhados e divulgados voluntariamente pelos usuários, que acabarão virando clientes.

No social commerce é fundamental trabalhar as recomendações, a reputação digital, os embaixadores da marca e os brand lovers (ou amantes da marca, em português).

8 dicas para uma estratégia de social commerce

Existem pontos importantes do social commerce que você não deve perder de vista se quiser que sua estratégia seja bem-sucedida.

1. Escolher corretamente as redes sociais

Na maioria das redes sociais, se não em todas, você pode explorar sua utilidade de vendas e colocá-la ao seu serviço. Mas tem que escolher bem!

Obviamente, tem que ser a mesma em que você desenvolve seu plano de marketing de mídia social, porque é onde está seu target.

Algumas como o Facebook, o Instagram ou o Pinterest são ideais porque já pensaram na lógica de venda social. Vamos voltar a elas mais adiante.

2. Site multidirecional

É conveniente não deixar todo o peso da venda na própria rede social. Na verdade, lembre-se que o social commerce consiste em um ciclo social de vendas.

Portanto, é essencial que você promova essa jornada do usuário em seu site por meio de links internos ou hiperlinks — é essencial que você os incorpore ao seu conteúdo.

3. Consumidor mais informado

Tenha sempre em mente que os consumidores de hoje são muito mais experientes em compras online e mais informados sobre os produtos e serviços que desejam.

Antes de decidir sobre o seu produto, eles terão analisado e comparado outros semelhantes. Eles nem sempre vão comprar por quem você é. Às vezes, basta para eles que o serviço prestado seja o que eles precisam.

4. Venda personalizada

Se você tem um e-commerce, sei que essa parte parece complicada. Mas não pense em customizar apenas o preço.

Existem outras formas de fazer isso:

  • Descontos
  • Programa de indicações
  • Afiliados

Resumindo, busque fidelizar seu cliente.

5. Informações do produto: comentários abertos

As recomendações que outros clientes fazem dos seus produtos geram um impacto muito poderoso na decisão de compra.

Sabemos que a opinião das pessoas é muito mais valorizada do que a da marca, por isso é fundamental que você deixe espaço para quem já o conhece falar bem de você. Isso é o que queremos dizer com deixar comentários abertos na página do produto.

inboundcycle-social-rating

Fonte: StarOfService

6. Avaliação social

Além dos comentários que seus clientes podem deixar nas informações dos produtos, recomendo estabelecer um sistema de pontuação, por exemplo, com as típicas estrelas que vão de 1 a 5.

Isso ajuda o posicionamento orgânico do Google, já que ele reconhece o valor da sua venda.

7. Botões para compartilhar nas redes sociais

Aqui estou falando da possibilidade que você dá aos seus clientes de compartilhar aquele produto específico (não a página inteira) com seus amigos e colegas.

Isso leva a duas leituras:

  1. Não é verdade que quando você compra uma camisa você adora mostrá-la para todo mundo? Deixe seu cliente desenvolver o orgulho que sente pela boa escolha dele.
  2. Esse orgulho dá visibilidade à marca. Não desperdice essa oportunidade!

social-commerce-botao-compartilhar

Fonte: Wix

8. Impulsione as avaliações no Google

Google significa posicionamento orgânico e visibilidade. E se ele gosta de algo, é da opinião de seus usuários. É aqui que entram as avaliações.

Se, além do seu e-commerce, você tiver um negócio físico, faça um convite a todos que passarem por lá para deixar um comentário na página de sua empresa no Google Maps.

Se apenas tiver uma loja online, não deixe de fazer o mesmo convite, só que dessa vez por e-mail, por exemplo.

O importante é que o Google veja atividade na sua página do Google Meu Negócio e que as opiniões sejam boas. É fácil de implementar: quanto mais cedo você fizer isso, melhor.

Vantagens do social commerce

Agora que já falamos um pouco sobre o social commerce, sabe me dizer quais são suas vantagens? Faça isso nos comentários!

Mas antes, quero detalhar algumas delas para você:

  • Você gera maior confiança entre sua comunidade e seus clientes em potencial, pois as recomendações de outras pessoas promovem você.
  • Devido ao que acabei de dizer, sua reputação aumenta. E isso retroalimenta a confiança e impulsiona as vendas.
  • Melhora o engajamento nos perfis sociais, o que deixa você mais visível nas redes.
  • Mesmo que não faça social commerce de venda direta, você impulsiona as vendas dos produtos ou serviços em seu site.
  • Você se diferencia da concorrência, já que a maioria das marcas ainda não tem uma estratégia definida nesse tema.

O que você pode fazer nas redes sociais para aplicar um modelo de social commerce?

Embora nem todas as redes sociais estejam igualmente preparadas para trabalhar com social commerce, você pode fazer uma estratégia de push de vendas para o seu site.

Vamos ver os pontos fortes de cada um.

Facebook

É a rede social com mais usuários no mundo. Mais do que a população da China.

Sua penetração no Brasil ultrapassa os 50% da população ativa, com mais de 116 milhões de usuários.

Com esses dados, você deve considerá-los na sua estratégia de social commerce.
É pioneira na introdução da venda direta nas redes sociais, graças à possibilidade de criar sua “loja”. Mas continuou a incorporar novidades, embora sua abordagem seja diferente.

A grande força do Facebook é sua alta segmentação. Já sabemos disso por conta de outras funções, como os anúncios. Mas essa vantagem se estende às opções de venda social.

São 3 opções que a rede social oferece para potencializar suas vendas:

1. Vitrine

É uma versão estática dos seus produtos. Permite a exposição deles como se fosse um catálogo e direcionar o tráfego para seu site.

2. Loja

Para implementá-la na sua página, você deve ter o template apropriado. Você pode escolhê-lo na guia superior “configurações” e “editar página”. Lá, escolha um modelo que contenha a loja.

criar-uma-loja-no-facebook-loja

Fonte: Facebook

3. Smart Facebook Store

É mais uma etapa na loja. São apps que oferecem o ciclo de compra de forma personalizada.

Esses aplicativos incorporam mecanismos que fazem com que os produtos oferecidos na loja sejam mostrados a usuários parecidos com os que já interagiram com ela (Social Graph). A experiência do usuário se torna melhor. 

Instagram

O Instagram Shopping atingiu o cenário do social commerce com uma base sólida. No entanto, ainda não são muitas as lojas criadas, com exceção das de grandes marcas.

Este aplicativo já conseguiu se integrar totalmente com o e-commerce. Através dele você pode etiquetar todos os seus produtos nas imagens que publicar.

Para poder usar o Instagram Shopping você precisa ter:

  • Uma página de empresa no Facebook
  • Um e-commerce
  • Um perfil comercial no Instagram

O que ele permite é etiquetar seus produtos nas imagens para finalizar a venda em sua loja online.

Pinterest

O Pinterest é outra rede social com forte tendência para impulsionar as vendas.

Não tem uma penetração tão alta quanto o Facebook e a maior parte de sua audiência está nos Estados Unidos — mas tem crescido no Brasil.

É uma plataforma que faz muito sucesso entre o público feminino e em determinados setores: moda, beleza, decoração e alimentação.

Os pins são grandes aliados das lojas online. Claro, para que funcione, você deve associá-lo ao link que leva ao seu e-commerce.

Pense que seu posicionamento na rede é orgânico, algo que recompensa um trabalho bem feito.

Twitter

O Twitter é uma plataforma que chegou tarde ao social commerce.

Não encontramos uma função dedicada especificamente à venda social, mas há esforços para promover essa tendência.

Atualmente, podemos encontrar aplicativos que permitem comprar com um tweet.

YouTube

A rede rainha dos vídeos é o terceiro buscador mais importante, depois do Google e do Facebook. Isso a torna uma plataforma muito útil para promover produtos e serviços.

Já sabemos que o vídeo é altamente consumível, e isso faz com que as marcas desenvolvam toda a sua criatividade, buscando viralizar seus conteúdos.

Porém, além de utilizá-lo como uma estratégia em si, não há nada que a rede ofereça a mais para facilitar as vendas por meio dela.

Exemplos de marcas que fazem social commerce

Como vimos, existem algumas redes sociais mais acessíveis do que outras para as PMEs impulsionarem suas vendas sociais.

Vejamos exemplos para que você entenda melhor como são aplicadas.

Avaliações no Google: Terafis

Terafis é um centro de fisioterapia localizado em Barcelona.

Eles tiveram muito cuidado no atendimento ao cliente e ofereceram um serviço bem profissional por anos.

Deixaram claro que precisavam dar o salto digital e fizeram isso em 2018. Durante esse período, não pararam de receber avaliações positivas no Google com uma classificação média de 4,5 em 5.

duro-limia-inboundcycle-reseñas

Avaliações no site próprio: Vinissimus

O Vinissimus é um e-commerce de vinhos com bastante reputação. Já em sua página inicial, você encontra os produtos em destaque com classificação por estrelas.

Além disso, se você olhar detalhadamente para qualquer um deles, verá que permite compartilhar o produto nas redes sociais e fazer aquela pontuação. 

duro-limia-inboundcycle-vinissimus

Loja no Facebook: Lolita von Stoff

Lolita é uma loja de alpargatas artesanais. Seu site não é complicado e possui um alto número de produtos.

Por isso, é um ótimo exemplo de como qualquer pequena ou média empresa pode ter sua loja no Facebook com muito pouco esforço.

duro-limia-inboundcycle-dona-alpargata

Instagram Shopping: Warby Parker

A Warby Parker é uma loja de e-commerce de óculos que lida muito bem com a loja do Instagram.

Dê uma olhada em todo o processo realizado para chegar até o e-commerce.

  1. Eles têm a loja perfeitamente identificada em uma aba
  2. Você entra na loja e lá estão todos os óculos que eles vendem
  3. Escolhe um e o Instagram pede para tocar para ver o preço
  4. Mostram o preço e você precisa tocar na seta para continuar a comprar
  5. Mostram mais detalhes sobre o produto e convidam você a visitar a página
  6. Você se encaminha para a loja online, onde pode finalizar sua compra

Se você olhar o feed de todas as publicações, pode identificar os produtos etiquetados com o ícone de uma sacola.

duro-limia-inboundcycle-barby-parker

Pinterest: Caribou Coffee

A Caribou Coffee é uma das maiores cafeterias especiais dos Estados Unidos.

Eles usaram o Pinterest de uma maneira um pouco diferente. Mais do que direcionar tráfego para um e-commerce, para descobrir o que seus clientes queriam.

Eles criaram um quadro colaborativo, #caribouinspires, e com base nas imagens que seus seguidores enviaram, criaram a mistura de café que esses pins mais sugeriram.

Dar ao seu cliente exatamente o que ele quer parece uma boa forma de vender, não acha?
duro-limia-inboundcycle-caribou

Twitter: Movistar

Movistar é uma empresa espanhola de TV digital e telefonia. Ela convida você a seguir os links para os produtos em seu site, para que possa concluir a compra por lá.

Não vi nenhuma marca que use exclusivamente o Twitter para vender ou mostrar ofertas. O normal é encontrarmos tweets como o do exemplo (embora existam outros que mostram o preço).

duro-limia-inboundcycle-movistar (1)

Como você pode ver, a venda pelas redes sociais está mais presente do que parece.

Você pode impulsioná-la diretamente com as lojas do Instagram e do Facebook, criadas especificamente para isso, ou ser mais sutil, com o Twitter ou o YouTube. Lembre-se que o Pinterest também é uma etapa direta e vinculada ao e-commerce.

Também é importante destacar quanto é acessível a qualquer negócio, independentemente da sua dimensão ou localização, seja puramente online ou numa loja física.

Como pôde comprovar com as explicações e exemplos, você pode começar a traçar uma estratégia e colocar o social commerce à sua disposição. Não pense muito e entre de cabeça antes que a concorrência chegue na sua frente!

CTA - Post - Vertical- Desktop

Publicado em 22 de dezembro de 2022.

Revisado e validado por Jalusa Lopes, Country Manager da InboundCycle Brasil.

FAQ sobre social commerce

  • O que é social commerce?

    O social commerce é uma forma de comércio online que utiliza as redes sociais como mais um canal de vendas, tanto de produtos quanto de serviços.
  • Como funciona o social commerce?

    Os perfis da sua marca nas redes sociais atraem potenciais clientes (através do inbound marketing e do marketing de conteúdo) e você tem a oportunidade de gerar a confiança necessária que toda venda precisa (através do Social Selling).
  • Qual é o objetivo de utilizar o social commerce como uma estratégia de marketing?

    • Gerar maior confiança entre sua comunidade e seus clientes em potencial, pois as recomendações de outras pessoas promovem você.
    • Sua reputação aumenta. E isso realimenta a confiança e impulsiona as vendas.
    • Melhorar o engajamento nos perfis sociais, o que deixa você mais visível nas redes.
    • Mesmo que não faça social commerce de venda direta, você impulsiona as vendas dos produtos ou serviços em seu site.
    • Você se diferencia da concorrência, já que a maioria das marcas ainda não tem uma estratégia definida nesse tema.
  • Quais são as redes sociais mais importantes para um E-commerce?

    Facebook, Instagram, Pinterest (em crescimento no Brasil), Twitter e  YouTube.
  • Qual é o objetivo de cada rede social?

    Você pode impulsionar as vendas diretamente com as lojas do Instagram e do Facebook, criadas especificamente para isso, ou ser mais sutil, com o uso do Twitter ou do YouTube. O Pinterest também é direto e vinculado ao e-commerce.

Outros artigos que podem te interessar...

Comissão de vendas: 9 dicas para uma equipe comercial de sucesso
LinkedIn para empresas: como conseguir clientes para o seu negócio?
Marketing e vendas: como criar uma estratégia inbound conjunta

O que você acha? Deixe um comentário!